Mesmo com US$ 40 milhões em aportes, Kovi puxa o freio de mão na pandemia


A crise do coronavírus fez com que diversas startups precisassem redesenhar seus negócios para continuarem operando durante e no cenário pós-pandemia. Uma dessas empresas é a Kovi, que atua com o aluguel de carros para motoristas de aplicativos. Com mais de 40 milhões de dólares em aportes recebidos, a companhia viu seu faturamento derreter neste ano e agora traça uma nova forma de obter renda e evitar a devolução dos veículos de seus clientes.

Fundada em junho de 2018 pelos empreendedores Adhemar Milani Neto e João Costa, a Kovi foi criada para facilitar a locação de automóveis para motoristas de aplicativos como Uber e 99. A empresa ganhou destaque ao captar em duas rodadas de financiamento 40,6 milhões de dólares em aportes recebidos de fundos de investimento de peso no mercado de capitais. Entre eles, a Monashees, o Y Combinator, a Maya Capital e o Global Founders Capital.

Com planos a partir de 369 reais por semana para motoristas que rodam até 1.250 quilômetros em sete dias, a companhia lucra na diferença entre o que gasta no leasing de 18 ou 24 meses com montadoras e o que cobra na locação dos condutores de aplicativos de transporte

É preciso deduzir também, é claro, os gastos operacionais e as despesas com manutenção preventiva e corretiva são feitos pela startup, que ainda arca com os custos de IPVA, licenciamento e o seguro do automóvel, além de eventuais reparos.

A empresa que já tem já tem 192 funcionários e escritórios em São Paulo, Porto Alegre e México não abre números de faturamento, mas informa ter crescido mais de 100 vezes durante o ano passado passando de 50 para mais de 6.000 veículos locados.

Para 2020, a previsão era manter o crescimento. O problema é que a crise do novo coronavírus que isolou as pessoas em casa e diminuiu drasticamente o uso de aplicativos de transporte pode atrapalhar esse plano. “Nosso faturamento caiu mais de 80% durante os últimos dois meses de quarentena”, afirma João Costa, diretor executivo da Kovi. “Houve um volume muito grande de devoluções de veículos e passamos a lidar com um percentual maior de inadimplência.”

Por conta deste e de outros motivos, a startup suspendeu temporariamente as locações de novos veículos até que a pandemia aparente sinais de estar sendo controlada.

Para lidar com as dificuldades a solução foi estudar parcerias com outros aplicativos de transporte. Mas não de pessoas. “O plano é realocar os motoristas de aplicativos em outras plataformas para garantir que eles mantenham uma renda, mas entregando produtos”, afirma o Costa. Segundo ele, quase 2 mil motoristas cadastrados na plataforma já passaram a realizar entregas para serviços como iFood e Rappi.

Se o cenário atual não é o ideal, a startup brasileira que seduziu investidores estrangeiros espera um futuro mais promissor no cenário pós-pandemia. O empresário explica que mantém conversas com investidores para a realização de novas rodadas de captação. Ele não descarta a possibilidade de anunciar um novo investimento neste ano, mas diz que isso dificilmente deve acontecer.

Enquanto não anuncia novos aportes, a startup prepara o lançamento de dois novos produtos que devem ser anunciados ainda neste ano, durante o segundo semestre. Um deles será voltado para os motoristas e outro será direcionado para o consumidor final. Ou seja, o cliente que não necessariamente vai alugar um veículo para trabalhar com um aplicativo de transporte de passageiros ou de delivery.


Fonte Rodrigo Loureiro
Data da Publicação Original: 25 May 2020 | 5:37 pm


You may also like

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *