Steve Forbes: O comportamento dos EUA em meio ao coronavírus


Mike-Segar-Reuters
Com uma população bem menor, a Coreia do Sul está realizando mais de 20 mil exames por dia, número superior ao total feito pelos EUA até o momento

Os textos a seguir foram publicados por Steve Forbes nos dias 14 e 17 de março. Eles dão um panorama de como a pandemia está se comportando no território norte-americano – e como o país está reagindo a ela.

Vexame e Incompetência 

Quando a crise da covid-19 passar, precisa ser formada nos EUA uma comissão nacional e apartidária para analisar de maneira detalhada o fracasso letal dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (órgão conhecido pela sigla CDC, em inglês) em lidar adequadamente com a chegada desse vírus mortífero. Desde que o 11 de setembro expôs as terríveis deficiências nas operações de nossos órgãos de inteligência, nunca um órgão governamental essencial tinha falhado tanto em sua missão.

O CDC deveria estar observando o mundo com atenção para descobrir doenças potencialmente perigosas e – em colaboração com outras entidades – lidar com elas antes que prejudicassem o país significativamente. Seria de imaginar que, depois de suas experiências com a Sars, a gripe suína e o ebola, o CDC estaria preparado.

No fim do ano passado, ficou claro que um vírus sinistro estava à solta na China. Em dezembro, esse fato era de conhecimento público. A reação do CDC foi negligentemente lenta. O fundamental, de imediato, era disponibilizar exames de diagnóstico para que, se (ou quando) o vírus chegasse, pudéssemos avaliar rapidamente sua dimensão e virulência. Mas o CDC fez corpo mole em vez de trabalhar com um senso de emergência aguda, em conjunto com laboratórios particulares e empresas de saúde, para criar e distribuir ferramentas eficazes o mais rapidamente possível. Atuou sozinho e com a pressa de uma tartaruga. Os procedimentos de triagem eram por demais onerosos e burocráticos. Como se tudo isso já não fosse absurdo, o primeiro kit de exames do CDC estava com defeito!

Só agora o setor privado está sendo plenamente mobilizado. A conferência de imprensa da Casa Branca na tarde da sexta-feira (13/3) com executivos de todos os principais varejistas, farmácias e empresas médicas mostrou ao povo norte-americano – e ao mundo – que, enfim, nós nos organizamos para a tempestade que se aproxima. O mercado de ações subiu.

LEIA TAMBÉM: Carolina Centola: O vinho e o amor no isolamento

Os simpatizantes do CDC alegam que o orçamento do órgão não era suficiente. Uma comissão conscienciosa detonará essa desculpa; os atos e procedimentos internos do CDC foram os culpados. Além disso, o órgão poderia facilmente ter obtido recursos financeiros adicionais meses atrás, se mencionasse a natureza nefasta desse vírus. Também argumentam que os métodos de operação do órgão nunca previram uma doença dessa magnitude. Essa lógica é incrivelmente fraca. Se o CDC tivesse lidado com os kits de exame da forma correta, as mortes e a destruição teriam sido significativamente menores.

Taiwan reconheceu a ameaça logo no início e tomou medidas resolutas, minimizando os danos. Com uma população quase sete vezes menor do que a dos EUA, a Coreia do Sul está realizando mais de 20 mil exames por dia, número superior ao total feito pelos EUA até o momento. Lá, a crise parece já ter atingido o pico. O dano causado pela obtusidade e a incompetência do CDC vai além da aflição e da morte imediatas. Também haverá consequências políticas, diplomáticas e econômicas.

Medidas Urgentes para a Economia

A economia está se contraindo à medida que o país entra cada vez mais em confinamento. Um número crescente de pessoas e empresas – solventes antes da crise do coronavírus – defronta-se com a insolvência financeira. Isso é denominado crise de liquidez, ou seja, ficar sem dinheiro porque a renda está diminuindo ou deixou de existir.

Não é de admirar que o valor das ações tenha despencado, sobretudo porque as abordagens de Washington têm sido inadequadas ou mesmo prejudiciais (os dois cortes da taxa de juros feitos pelo Federal Reserve colocaram as ações em queda livre, já que esses atos distorcem os mercados de crédito). Felizmente, o governo está se mexendo. Além do anúncio do adiamento de pagamentos de impostos, aqui vão algumas medidas úteis para ajudar a manter vivas as pessoas e empresas.

Suspensão do imposto sobre a folha de pagamento. Seria como uma folga desse imposto pelo resto do ano. Isso causará duas coisas instantaneamente: um reforço monetário imediato toda vez que os trabalhadores assalariados receberem um salário e tornará a mão de obra menos onerosa para os empregadores.

Cheques únicos de US$ 1 mil para pessoas físicas (exceto para os “ricos”). Normalmente, esse tipo de coisa é uma medida pavorosa. Já aconteceu antes como “estímulo” para a economia e nunca funciona porque é algo isolado. Mas, neste caso, o fato de não ser permanente é uma virtude. O motivo de tomar essa medida é que temos hoje, na economia, dezenas de milhões de pessoas que trabalham em meio período ou como autônomos. Não são assalariados e,portanto, não teriam a ajuda imediata da folga do imposto sobre a folha de pagamento. O governo deixou claro (no dia 17/3) que apoia essa ideia. O custo dessas medidas não será baixo mais de US$ 1,1 trilhão. Mas ponha isso em perspectiva: a economia perderá mais de US$ 1 trilhão em atividade, e as ações perderam mais de US$ 6 trilhões em valor.

Lidar com o congelamento do mercado de crédito. O mercado de papéis comerciais – dívidas de curto prazo emitidas por empresas – está deixando de funcionar. Isso faz com que as empresas recorram aos bancos a fim de obter empréstimos para permanecerem solventes. No entanto, os bancos precisam vender ativos para levantar esse dinheiro, ou então tomar empréstimos do Federal Reserve. Além disso, os fundos do mercado financeiro, normalmente os grandes compradores de papéis comerciais, não estão comprando porque os acionistas estão tirando seu dinheiro. Por sorte, os bancos estão infinitamente mais fortes hoje do que em 2008. O Fed finalmente está fazendo o que fez em 2008: abrindo uma linha de crédito que envolverá a compra de papéis comerciais diretamente de empresas solventes ou a concessão de empréstimos a essas entidades. Obviamente, a taxa de juros deve ficar acima das taxas do mercado, de modo que as empresas sejam incentivadas a explorar outras possibilidades antes de recorrer a essa entidade. O que é essencial aqui é a ousadia – a linha de crédito deve poder conceder empréstimos de curto prazo como tábua de salvação a companhias aéreas e outras empresas em dificuldades.

O Fed e o Departamento do Tesouro também devem influenciar os bancos no sentido de garantirem que os clientes normalmente solventes obtenham o dinheiro necessário para enfrentarem a tempestade, além de instar os bancos a relaxarem temporariamente as normas de empréstimos para clientes sólidos.

Essas são medidas essenciais. E devem ser executadas agora.

Steve Forbes, Editor-chefe da Forbes

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Os artigos assinados são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem, necessariamente, a opinião de Forbes Brasil e de seus editores.

O post Steve Forbes: O comportamento dos EUA em meio ao coronavírus apareceu primeiro em Forbes Brasil.


Fonte Steve Forbes
Data da Publicação Original: 9 April 2020 | 9:10 am


You may also like

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *